Pesquisar

Transparência
03/01/2013

Na secção Transparência, do dia 03.01.2013, o Jornal Cruzeiro do Sul, de Sorocaba e região, publicou ampla reportagem sobre a desburocratização na prefeitura.

Segue a íntegra da matéria.

Prefeitura vai desburocratizar o acesso a informações.

Entre as mudanças, Pannunzio extinguiu a Secretaria da Comunicação, incorporando-a à de Governo - Fábio Rogério José Antônio Rosa - joseantonio.rosa@jcruzeiro.com.br.

Na primeira reunião de trabalho que manteve com sua equipe de governo, o prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) recomendou aos novos secretários que atendam a imprensa sempre que tiverem de falar de assuntos relacionados às respectivas Pastas. A orientação reforça o caráter de transparência que a gestão colocará em prática. Questões de ordem interna voltadas à administração serão encaminhadas pela assessoria de comunicação.

Entre as mudanças que decretou, o prefeito extinguiu a Secretaria da Comunicação, incorporando-a à de Governo. A medida atende a antiga expectativa dos meios noticiosos da cidade (e também da opinião pública), já que deverá desburocratizar o procedimento e garantir o acesso às informações de interesse de forma mais dinâmica e ágil. Pannunzio havia anunciado ao Cruzeiro do Sul que adotaria um modelo de gestão "diferenciado e moderno".

O primeiro contato com o secretariado serviu para definir linhas básicas do trabalho. Não foram discutidos projetos que serão colocados em prática, mas apenas definidas as diretrizes. "Precisamos ter um quadro claro para saber o que fazer", disse o prefeito no contato que manteve depois com os jornalistas. Na prática, serão atendidas, neste primeiro momento, demandas imediatas. Perguntado sobre as obras em andamento, Pannunzio disse que irá, também, se inteirar da fase em que se encontram. "Não podemos, agora, neste primeiro dia, adiantar o que será feito sem antes termos conhecimento do ritmo do trabalho".

Nem mesmo a reforma administrativa poderá ser implementada; é necessário que as mudanças constem de projeto de lei, que depende de aprovação da Câmara. E isso só ocorrerá quando a Casa voltar do recesso em fevereiro. Até lá, alguns colaboradores acumularão funções e cada secretário deverá elaborar um plano de ação apontando as prioridades que deverão ser trabalhadas.

Pannunzio destacou que manterá reuniões periódicas com os integrantes do primeiro escalão e também isoladamente para discutir questões específicas. O prefeito voltou a dizer que o relacionamento com o Legislativo será orientado pelo respeito. Agora que conseguiu alcançar a maioria de que precisa para governar, Pannunzio está mais à vontade para conduzir sua gestão. "Posso falar com conhecimento de causa, já que ao longo de minha atuação como deputado federal fui da situação e da oposição. Assim, entendo como devem ser conduzidas as tratativas entre os dois poderes. E isso, com certeza, saberemos fazer".

Não houve tempo, por enquanto, para a análise de problemas como o cumprimento da decisão judicial que fez com que o município assuma a gestão do Hospital Psiquiátrico Vera Cruz e dispense tratamento aos 405 pacientes que lá estão internados. "Vamos, claro, cumprir o que a Justiça determinou, mas conversar com as secretarias de Negócios Jurídicos e da Saúde para definir que linha de ação trabalharemos".

A agenda do primeiro dia de governo foi bastante movimentada. Pannunzio chegou ao Paço por volta das 8h. Logo que desceu do carro, foi entrevistado pela rádio Cruzeiro FM. No caminho até o gabinete cumprimentou os funcionários. Aproveitou, também, para conhecer melhor o funcionamento da Prefeitura e das unidades externas, em razão das mudanças no quadro de servidores e da ampliação dos serviços públicos em relação ao período em que foi prefeito pela primeira vez (1989/1992).

Dinheiro em caixa

O prefeito também foi questionado sobre a situação financeira da Prefeitura, mais exatamente em relação ao superávit de caixa. Conforme noticiado, o saldo deixado pela gestão passada nos cofres públicos seria de R$ 300 milhões. Pannunzio disse que deverá se inteirar melhor da situação, mas que acredita que os recursos, provenientes do contingenciamento adotados, ajudarão no andamento do governo.

Ele avalia que dentro de quinze ou vinte dias terá um diagnóstico mais realista desse quadro. Nas entrevistas que concedeu durante o dia de ontem, Pannunzio voltou a reafirmar o compromisso com a saúde, falou da construção do hospital público, empreendimento que deverá contar com o apoio de parceiros, do BRT, que "possivelmente" já poderá estar implantado até meados de 2014 e da construção da nova rodoviária. "Sorocaba já depende desse equipamento há algum tempo e vamos trabalhar para implantá-lo".

Notícia publicada na edição de 03/01/13 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 7 do caderno A - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.




« Voltar